>

'IT: A COISA' POR STEPHEN KING

|

Sinopse: Durante as férias escolares de 1958, em Derry, pacata cidadezinha do Maine, Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly aprenderam o real sentido da amizade, do amor, da confiança e... do medo. O mais profundo e tenebroso medo. Naquele verão, eles enfrentaram pela primeira vez a Coisa, um ser sobrenatural e maligno que deixou terríveis marcas de sangue em Derry. Quase trinta anos depois, os amigos voltam a se encontrar. Uma nova onda de terror tomou a pequena cidade. Mike Hanlon, o único que permanece em Derry, dá o sinal. Precisam unir forças novamente. A Coisa volta a atacar e eles devem cumprir a promessa selada com sangue que fizeram quando crianças. Só eles têm a chave do enigma. Só eles sabem o que se esconde nas entranhas de Derry. O tempo é curto, mas somente eles podem vencer a Coisa. Em 'It - A Coisa', clássico de Stephen King em nova edição, os amigos irão até o fim, mesmo que isso signifique ultrapassar os próprios limites.


E VOCÊ MOROU NO PLANETA TERRA ESSE ANO provavelmente ouviu falar de It: A Coisa, com um bem sucedido remake lançado nas telonas o palhaço Pennywise voltou a moda, e toda essa animação envolta do filme me deu fôlego para me dedicar a essa leitura que queria fazer a um tempo e não tinha feito até então por um certo medo (lê-se preguiça) deste calhamaço, e depois de toda essa aventura pelas 1100 páginas estou aqui para compartilhar um pouco da minha experiência de leitura.
Stephen King é um autor um tanto quanto complicado para mim, por mais que eu ame as histórias e os personagens que ele cria, os livros normalmente tem uma leitura com um inicio arrastado para mim, sempre demora muito até a leitura engatar em um ritmo bom e eu consiga me prender a tudo que acontece, mas quando finalmente a leitura engata fica difícil de largar, e em It esse fenômeno se repetiu.
Uma das coisas que mais me pegou de surpresa no livro é que o mais assustador não é o a Coisa em si, e sim as pessoas da história, estando ou não sobre a influência da criatura. Quando os personagens resolvem ser violentos é uma ultraviolencia pesada mesmo, o bullying não é uma coisa só de xingamentos ou agressões mais “leves” que vemos em outros filmes e livros por aí, as partes que mais me chocaram e me deixaram horrorizado foram cenas em que a Coisa não estava presente. Foi uma surpresa grande isso para mim, no final do livro a frase “Todos os monstros são humanos” fez sentido para mim como nunca tinha feito antes.
Mas quanto ao monstro em si, a Coisa para mim é uma criação perfeita da mente de King, é um vilão muito carismático, que consegue assustar até as vezes, e com certeza já está na lista dos meus vilões favoritos de todos os tempos.





Talvez, pensou ele, não existiam coisas como amigos bons ou ruins. Talvez existam só amigos, pessoas que ficam ao seu lado quando você se machuca e que ajudam você a não se sentir muito sozinho. Talvez valha a pena sentir medo por eles, sentir esperança por eles e viver por eles. Talvez valha a pena morrer por eles também, se chegar a isso. Não amigos bons. Não amigos ruins. Só pessoas com quem você quer e precisa estar; pessoas que constroem casas no seu coração. [Página 781, parágrafo 6.]


Os personagens do livro são muito bem construídos, e essa parte não teve surpresa, como sempre King nos entrega personagens bem realistas, com motivações e um perfil psicológico tão bem feitos que dá para imaginar perfeitamente pessoas como eles andando por ai, é uma das melhores partes do livro inteiro, você consegue realmente criar uma espécie de relação com eles, torcendo, sofrendo, e até mesmo se irritando com as ações deles.
Um dos pontos fortes do livro para mim foi o modo como a narrativa transita entre presente e passado, a dinâmica para contar duas histórias ao mesmo tempo ficou muito boa de se ler, principalmente no final, apesar de eu ter me confundido às vezes, por falta de atenção minha, o efeito ficou muito bom e consegue transportar você para a história já que você vai descobrindo o que aconteceu no passado junto com os personagens.


O final de It para mim é o grande problema do livro todo, o que me faz repensar a possibilidade de uma releitura no futuro. Stephen King já disse que escreveu o final do livro em uma época que usava muitas drogas pesadas e por isso o final ficou daquele jeito, mas não consigo parar de me perguntar: será que os editores e revisores também estavam usando as mesmas drogas? Ninguém olhou para aquele final e viu todos os problemas?

[SPOILERS DO FINAL DO LIVRO A PARTIR DAQUI]

Aquela cena da orgia da Bervely para mim não faz sentido nenhum de existir, sério, é uma cena tão aleatória, que quebra completamente o clima, eu não sabia se estava chocado com a cena, se ria de tão ridículo que aquilo estava, foram muitas emoções, mas nenhuma boa. Aquela cena me incomodou muito, e quanto mais penso nela, menos entendo a necessidade daquilo.
Outro ponto que achei que o autor deixou a desejar foi o destino do Tom, durante o livro todo a gente cria toda uma expectativa na participação dele na história, a final ele da mais medo que a Coisa, e quando finalmente o embate vai acontecer… ele não acontece. Sério, é um personagem jogado fora, todas as cenas dele a partir do momento que a Beverly o deixa não precisavam existir, se lançassem um livro com essas partes editadas ninguém sentiria falta, tamanha a inutilidade deste personagem, e a Audra para mim segue um destino bem pior no quesito inutilidade.
Mas nem tudo é ruim no final, eu gostei do confronto final com a Coisa, achei que a conclusão do confronto deles foi satisfatória, e apesar de muita gente não ter gostado da história da origem da Coisa, eu gostei achei bem interessante o rumo que o livro tomou.

[SPOILERS ACABAM AQUI]


Falando um pouco do filme, eu amei ele do incio ao fim, e em muitos pontos (muitos mesmo) achei que o filme se saiu melhor que o livro, o que me faz achar que essa adaptação cinematográfica é uma versão mais interessante da parte da infância dos personagens, e me faz criar uma expectativa enorme ao redor da parte dois que sai em 2019.
Eu gostei bastante da mudança temporal feita no filme, sei que os anos 80 estão em alta e já está estamos saturados de histórias da época, mas para mim funcionou, trouxe a história para uma época mais próxima nossa, e vai garantir uma continuação bem interessante já que agora a parte dois vai se passar nos anos 2000, algo bem mais próximo a nossa realidade.
Eu não consigo aqui apontar um erro no filme, tudo nele está realmente impecável, a atuação, o roteiro, a fotografia, a direção, tudo está incrível e é executado da maneira que a obra merecia mesmo, é um filme que assisti três vezes no cinema esse ano e vou ver muito mais vezes em breve.


[...] é bom pensar assim por um tempo no silêncio limpo da manhã, pensar que a infância tem seus segredos doces e confirma a mortalidade, e que a mortalidade define toda a coragem e todo o amor. Pensar que o que já ansiou pelo futuro também precisa olhar para trás, e que cada vida faz sua própria imitação da imortalidade: uma roda. [Página 1102, parágrafo 1.]


Enfim, apesar dos problemas que citei com o final do livro eu consegui tirar um bom proveito da leitura de It: A Coisa, é uma leitura de entretenimento que eu recomendo sim a quem gosta de livros de horror, é um prato cheio para os fãs de King, e com certeza um dos livros mais icônicos do gênero do séc. XX.


Nenhum comentário:

Postar um comentário